MARINGÁ

Prefeitura realiza em torno de 150 eventos e ações culturais em 2021

O maringaense não pode reclamar da falta de opções culturais na gestão Ulisses Maia. Prova disso foi o resultado da atuação da Secretaria de Cultura em 2021. Mesmo num período de pandemia de coronavírus, foram aproximadamente 150 eventos e ações no decorrer do ano. E ainda com aprovação da classe artística que nunca teve tantas opções de mostrar seu trabalho na cidade. 

Victor Simião começou a trabalhar como Secretário de Cultura em 4 de janeiro de 2021. Em menos de um ano implantou uma agenda de ocupação dos espaços públicos e lançou novos programas de incentivo e fomento da cultura. "Buscamos a participação democrática. Nos aproximamos da classe artística, da sociedade civil e também da população", considera Simião, agradecendo o empenho de sua equipe. "Demos mais transparência aos processos. Sempre visando impactar a comunidade, que é para quem trabalhamos".

Um grande destaque cultural no ano foi a inclusão e descentralização, realizando eventos nos bairros e distritos, com tradução para linguagem de Libras, participação de mulheres, negros, índios, pessoas com deficiência, LGBTQI+, entre outros. 

DESAFIOS - Em 2022 há o desafio da retomada dos grandes eventos com público. Trazer para Maringá astros brasileiros para se apresentarem ao vivo e com público. O final de 2021 já teve um "gostinho da normalidade" com Zélia Duncan e Leci Brandão. 

Também novos projetos estão nos planos de Victor Simião. Entre eles a Escola de Artes de Maringá. Será um programa de formação para dança, música e teatro. Um projeto de lei será enviado para a Câmara de Vereadores para a contratação de professores, instrutores e estagiários para a realização de aulas em espaços públicos. "Vamos fazer muito mais. Minorias político-sociais terão mais espaços. A secretaria de Cultura é para todos e todas", conceitua Victor Simião.

Além disso, a criação de um Parque de Esculturas, a Mostra Cênica de Maringá, orientações para artistas e produtores participarem dos editais públicos, entre outras novidades que serão anunciadas em breve. 
Retrospectiva Semuc 2021:
• Janeiro
- diálogos setoriais para conversar com a classe artísticas e ouvir as demandas, fortalecendo a participação democrática da sociedade. 

• Fevereiro
- lançamento do edital "Convite às Artes Populares";
- lançamento do Aniceto Matti 2020 com R$ 2,1 milhões;
- mapeamento de espaços de cultura Afro em Maringá;
- reabertura das bibliotecas para empréstimo e devolução. Lançamento do projeto "Ano do Perdão". 

• Março
- treino para prestação de contas da Lei Aldir Blanc. 
• Abril
- Semana Afrobrasileira; 
- doação de livros para outras secretarias para incentivar criação de espaços de leitura; 
- coleta de material com comunidade dizendo porque gosta de Maringá. Foi usado no aniversário da cidade.

• Maio
- Aniversário de Maringá. Três dias de programação com shows locais, transmitidos pela internet;
- "Galeria Aberta" com exibição de artes de maringaenses na parede externa do Teatro Calil Haddad. 

• Junho
- divulgação e articulação para jovens artistas exporem em evento online da China;
- editais para "Semana da Cultura" e "Virada Cultural"; 
- a Semuc abriu mão do mandato governamental no Conselho de Cultura, possibilitando maior participação da sociedade civil. 

• Julho
- ação "Esqueça um livro" em espaços públicos, com centenas de exemplares distribuídos por toda a cidade. 

• Agosto
- Mês da Música, com 64 ações em 29 dias, em diversos locais da cidade;
- Painel do Café é reinaugurado no Teatro Calil Haddad.

• Setembro
- Semana da Capoeira com debates e apresentações artísticas;
- Festival de Bonecos (Festebom) é realizado;
- retomada dos eventos presenciais em teatros e espaços culturais;
- mais três editais da Lei Aldir Blanc são lançados;
- A.A de Assis doa o boneco original do "Robson" para a prefeitura de Maringá. 

• Outubro
- divulgação dos convidados da Flim 2021;
- Fórum de Cultura realizado em dois dias com debates com a classe artísticas. Documento foi elaborado com as prioridades para 2022; 
- ações do "Expresso Cultural", descentralizando a cultura. 

• Novembro
- realização da Semana Afro. Pela primeira vez, a população negra foi valoriza em espaços tradicionalmente de elite; 
- lançamento do edital Aniceto Matti 2021 com R$ 2,2 milhões;
- finalização do Expresso Cultural 2021;
- curso de historiografia de Maringá.

• Dezembro
- Flim 2021 híbrida, online e presencial;
- Seminário de Arte Contemporânea;
- cinco apresentações de Natal de forma descentralizada;
- execução do projeto "Convite às Artes Populares", valorizando manifestações populares em espaços onde antes não ocorriam; 
- Virada Cultural com 14 horas de programação.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM