GERAL

Juiz critica misoginia de Sílvio Santos em vitória de Rachel Sheherazade contra o SBT

O SBT foi condenado em primeira instância em ação movida pela jornalista Rachel Sheherazade. O juiz do trabalho Ronaldo Luis de Oliveira determinou a indenização de R$ 500 mil por danos morais para a jornalista por conta de um comentário de Silvio Santos e ainda criticou o "comportamento claramente misógino" do apresentador:

"Aparentemente, a pretexto de homenagear a apresentadora, aqui reclamante, diante de vasto público que a assistia (e ainda a assiste por plataformas digitais), o referido apresentador, de forma muito deselegante e abusiva, em comportamento claramente misógino, utilizou o seu poder patronal e de figura notória no meio artístico e empresarial para repreendê-la, em público, não somente como profissional, mas, sobretudo - como se pode concluir -, por questão de gênero, rebaixando-a pelo fato de ser mulher, a qual, segundo expressou, deveria servir como simples objeto falante de decoração."

Protocolada em 11 de março, na 3ª Vara do Trabalho de Osasco (SP), onde o SBT é sediado, a ação citava a cerimônia do Troféu Imprensa realizada em 9 de abril de 2017, quando Sheherazade subiu ao palco para receber o Troféu Internet de melhor apresentadora de telejornal, que ela havia conquistado em 2016, quando foi humilhada por Silvio Santos.

"Eu te chamei para você continuar com a sua beleza, com a sua voz, foi para ler as notícias, e não dar a sua opinião. Se quiser falar sobre política, compre uma estação de TV e faça por sua própria conta", disse Sílvio Santos na ocasião.

O juiz criticou o tratamento de Silvio, "deixando claro que a sua contratação se deu pelo simples fato de ser mulher bonita". Observou, ainda, que "não é a primeira vez que este Juízo se depara com situações semelhantes, envolvendo a mesma figura pública". E criticou: "Essas condutas, já se disse alhures, não espelham aquilo que se espera em uma sociedade civilizada e que tem, como parâmetro constitucional fundamental, o respeito à igualdade de tratamento de gênero".

E acrescentou: "Em atuais dias sombrios de violência contra as mulheres, as palavras acima reproduzidas em nada contribuem para a pacificação dos ânimos de uma sociedade adoecida pelo preconceito e que vem, periodicamente, sendo incentivada, por outras pessoas de caráter duvidoso, à prática desse tipo de comportamento reprovável"

O caso ainda cabe recurso.

Veja abaixo a declaração de Sílvio Santos que motivou o processo após a demissão da jornalista.



Confira o vídeo:






COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM