GERAL

O que é a gravidade e como ela influencia a vida na Terra


Shutterstock

O que é a gravidade? Essa pergunta que pode parecer inocente vem há séculos tirando o sono dos físicos. Uma resposta muito simples diz que essa força é responsável por puxar dois corpos com massa em direção um ao outro.

Aqui na Terra, nós experimentamos a gravidade quando somos puxados na direção do chão, ou seja, o tempo todo. É por isso que estamos presos ao solo (e é por isso que cair é tão fácil e doloroso). O que quase não nos damos conta é que também puxamos o planeta para nós, mas, como temos muito menos massa, fazemos pouca diferença nessa conta.

Gravidade da Terra

Já o planeta, um grande pedaço de rocha que viaja pelo espaço, tem massa o suficiente para manter uma porção de coisas ao seu redor. No nosso cotidiano, lidamos com muitas delas. A gravidade gera o peso de tudo.

Aqui no planeta Terra a gravidade puxa tudo para o chão (Fonte: Shutterstock)
Fonte: Shutterstock

Até mesmo objetos que voam sofrem o efeito dela. Pássaros e aviões lutam contra o efeito da gravidade usando soluções criativas, mas não podem ignorar essa força. Por aqui, tudo cai em direção ao solo.

E à medida em que cai, ganha velocidade. É porque a gravidade promove a aceleração dos corpos. Como o planeta é o mesmo, a força exercida é igual. Mas, como existem outros efeitos que são capazes de frear tal queda, objetos diferentes chegam em tempos diferentes no chão.

O ar, por exemplo, fornece uma resistência e desacelera um paraquedista que salta de um avião. Isso acontece porque existe uma coluna da atmosfera sob o corpo dessa pessoa que não pode ser ignorado.

Paraquedistas driblam a gravidade quando saltam (Fonte: Shutterstock)
Fonte: Shutterstock

Ela acumula sob o paraquedas e precisa abrir caminho para o saltador passar. O mesmo acontece se soltarmos, por exemplo, uma folha de papel e uma pedra ao mesmo tempo de uma mesma altura.

Mas existem outras coisas presas à gravidade da Terra que não atingem o solo. Os satélites são um bom exemplo. Tanto os artificiais quanto o natural - a nossa Lua - estão presos pela força que tudo puxa.

O que mantém eles suspensos é o movimento. Se não fosse a força atrativa do planeta, esses objetos iriam voar embora pelo espaço, mas a gravidade os puxa de volta e eles vivem, portanto, em uma eterna dança de fuga e captura, em equilíbrio quase perfeito.

Fundamental para a vida

Mas, além de quedas e tombos, a gravidade afeta a vida no planeta de muitas maneiras. Como evoluímos para habitar esse mundo chamado de Terra, tivemos que nos adaptar aos seus efeitos, e na natureza não faltaram ajustes.

A gravidade afeta, por exemplo, a força dos nossos ossos e músculos. Afinal, o papel deles é justamente combater o peso do nosso corpo e nossa tendência natural à horizontalidade.

A vida se adaptou à gravidade na Terra (Fonte: Shutterstock)
Fonte: Shutterstock

Em gravidade zero os músculos já não precisam fazer tanta força pra se movimentar e tendem a atrofiar. Os ossos também sentem o efeito, e acabam perdendo densidade. Isso é particularmente preocupante para astronautas, que podem perder até 60% de massa óssea.

Por isso, em missões espaciais viajantes são submetidos a monitoramento rigoroso e, uma vez de volta ao solo, passam por um período de reabilitação.

Outra característica fisiológica afetada é a pressão sanguínea. Graças à gravidade, o sangue se concentra naturalmente mais nos pés e menos no cérebro. Mas no espaço esse gradiente deixa de existir.

A falta de gravidade tem efeitos sérios na saúde de astronautas (Fonte: Shutterstock)
Fonte: Shutterstock

O problema é que fomos projetados para funcionar dessa maneira, e se sentirmos a pressão diminuindo na cabeça, acionamos mecanismos para corrigir o problema que identificamos. No caso da gravidade zero, a solução encontrada pela natureza foi fazer xixi.

É que a urina é a forma mais fácil de remover excesso de líquido. Mas quando se trata de astronautas, essa sobrecarga é só aparente. A consequência é que eles podem perder até 20% do volume de sangue em poucos dias, gerando resultados preocupantes.

Outro aspecto muito importante é a nossa imunidade. A gravidade é fundamental para o funcionamento de células de defesa e alterações sobre elas podem reduzir a proteção do nosso corpo. Isso expõe astronautas, sempre eles, a riscos de infecção por patógenos que seriam facilmente combatidos no solo terrestre.

A gravidade, mais do que um fenômeno físico aliado dos tombos em público, tem efeitos determinantes na nossa vida. Além disso ela ajuda a manter o controle sobre o ambiente do planeta.

É graças a ela que temos o fenômeno das marés, os ventos, o clima, e todos aspectos complexos que permitiram o surgimento da vida. E ainda que gere inconvenientes, às vezes, definitivamente, não seríamos nada sem essa forcinha no nosso dia a dia.
 




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM