GERAL

Vacina da varíola dos macacos deve chegar em setembro, diz Saúde
Primeiro lote da vacina Jynneos, da farmacêutica dinamarquesa Bavarian Nordic, deve chegar ao Brasil durante o mês de setembro. Serão 20 mil doses do imunizante

O Brasil deve receber as primeiras doses de vacina contra da varíola dos macacos (monkeypox) em setembro, segundo o Ministério da Saúde. Este lote deve conter 20 mil doses do imunizante Jynneos, da farmacêutica dinamarquesa Bavarian Nordic. Em outubro, um segundo lote deve chegar, com 30 mil doses da vacina.

Vale explicar que o Brasil não negocia diretamente a compra de vacinas com a farmacêutica. O processo é feito através de um convênio com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o que torna este um processo de aquisição coletivo de imunizantes.

"Existe um pedido da Opas para a aquisição de 100 mil doses de vacinas para as Américas. Dessas 100 mil doses, 50 mil serão adquiridas pelo Ministério da Saúde", detalha o secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Arnaldo Medeiros, em coletiva de imprensa.

Quem poderá tomar a vacina da monkeypox?

De acordo com o Ministério da Saúde, apenas dois grupos receberão as primeiras doses da vacina contra a varíola dos macacos:

Profissionais de saúde que manipulam as amostras recolhidas de pacientes;
Pessoas que tiveram contato direto com casos confirmados da doença.

O esquema de vacinação do imunizante Jynneos é feito em duas doses, com um intervalo mínimo de 30 dias entre elas.

Casos da varíola dos macacos no Brasil

No momento, o Ministério da Saúde contabiliza pelo menos 1.066 casos da varíola dos macacos oficialmente diagnosticados no país, incluindo as três primeiras crianças. São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte são as cidades que mais registram pacientes que foram infectados.

Na última sexta-feira (29), o Brasil confirmou o primeiro óbito em decorrência da varíola dos macacos. A vítima era um homem, de 41 anos, que estava internado em um hospital de Belo Horizonte. O paciente também tratava um câncer.

* Com informações da Agência Brasil





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM