Transmissão ao Vivo

Acessar

GERAL

Comunicação pública e combate às fake news são temas de Fórum Nacional no Paraná
Entre os dias 20 e 21 de novembro, o Paraná está sediando o 3º Fórum Nacional das Secretarias Estaduais de Comunicação. Principais temas em debate são a transparência na gestão pública, o combate à desinformação e a comunicação direta com a população.


Estados discutem comunicação pública durante encontro nacional em Foz do Iguaçu Paraná está sediando o 3º Congresso do Fórum Nacional das Secretarias Estaduais de Comunicação. Foto: Gilson Abreu/AEN

Com foco na transparência da gestão dos recursos públicos, comunicação no ambiente digital e combate às fake news, começou nesta segunda-feira (20), em Foz do Iguaçu, o 3º Fórum Nacional das Secretarias de Comunicação. Esta é a primeira vez que o encontro, que nesta edição reúne representantes de 22 estados e do Distrito Federal, acontece no Paraná.

Com reuniões ocorridas em Salvador, em junho, e no Rio de Janeiro, em setembro, o fórum tem como objetivo incentivar a participação das secretarias estaduais na formulação e execução de políticas públicas de comunicação.

Na avaliação do secretário da Comunicação do Paraná, Cleber Mata, o encontro é uma oportunidade de promover um intercâmbio entre profissionais de todo o Brasil.

"As secretarias estaduais de Comunicação utilizam juntas mais de R$ 1 bilhão por ano em recursos públicos que precisam ter a devida transparência. Temos muitos instrumentos nesses intercâmbios culturais que podem melhorar a performance das secretarias, aprendendo com o que os outros estados estão fazendo de melhor", afirmou.

Além dos debates internos entre os gestores públicos, o evento recebe uma série de palestrantes ligados ao setor. "É uma oportunidade única de discutirmos entre os 22 estados as melhores formas de um governo se comunicar bem, ser transparente e de prestar contas à população", acrescentou o anfitrião do evento.

FAKE NEWS - A primeira palestra foi ministrada pelo conselheiro Ivan Bonilha, do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR). Para ele, a comunicação pública enfrenta diversos desafios, mas o principal atualmente é o combate à desinformação por meio da publicação de notícias falsas ou distorcidas, que são disseminadas sobretudo na internet.

"Sabemos que há vários operadores de fake news nas mídias sociais e os governos precisam ter uma estrutura para fazer frente a esse tipo de investida. As secretarias de Comunicação já têm autoridade pública e credibilidade, e ao demonstrar transparência em seus propósitos, conseguem trabalhar junto aos órgãos de fiscalização nesse enfrentamento", disse.

PESQUISA - A importância das pesquisas para o planejamento dos governos também foi debatido no fórum. Com o tema "Pesquisas do Futuro", o presidente do Instituto Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, explanou como as pesquisas são importantes para as tomadas de decisões governamentais.

"Os governantes, através das pesquisas, ficam sintonizados com a população, com aquilo que ela deseja e como está vendo as ações para não ir no caminho do contrário da própria população, que é o cliente dos governos", enfatizou presidente do Paraná Pesquisas.

"As pesquisas são importantes para os gestores públicos saberem se o trabalho está sendo compreendido e aceito, o que é fundamental para o planejamento governamental", completou Hidalgo, que já executou mais de mil projetos de pesquisas em todo o Brasil.

Mas, para isso, destacou Hidalgo na apresentação aos secretários de Comunicação, é importante que os governos tenham um planejamento na condução das pesquisas. Isso inclui levantamentos semanais e até diários e também publicidade e distribuição para a imprensa. O representante do instituto de pesquisas lembrou que muitas vezes o gestor público planeja executar uma ação, porém a população deseja outra coisa - o que pode ser detectado nas pesquisas.

Outra questão bastante debatida pelos secretários foi a publicação pela imprensa das pesquisas da percepção das ações dos governos. Para o representante da Paraná Pesquisas, é importante que os governantes tenham seus próprios levantamentos para publicação e encaminhamento à imprensa.

"Os governantes devem divulgar os próprios levantamentos até para explicar por que estão tomando uma determinada decisão. Muitas vezes, a imprensa enxerga de um jeito e a população está vendo de outra forma, então o governo pode demonstrar que ela está embasada no apoio popular", concluiu Hidalgo.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM