POLÍTICA | Deputado Não Explica Motivo dos Gastos

O que o assessor veio fazer em Maringá?




Nota Fiscal Comprovando a Despesa

Apesar de divulgar que é contra privilégios e a favor da transparência, o deputado estadual Homero Figueiredo Lima e Marchese (Pros) ainda não explicou o motivo da vinda de um assessor da bancada do partido a Maringá, em novembro do ano passado. O ex-vereador de meio mandato recebeu mais de R$ 26 mil em 2019 porque optou pelo auxílio-moradia.

O caso foi revelado neste modesto blog no mesmo dia em que ele apareceu em reportagem da Folha de S. Paulo dizendo ser contra a concessão de benefícios como diárias para deputados e assessores. Nas redes sociais ele preferiu atacar quem publicou a notícia, e até agora está devendo explicações.

Num textão publicado no Facebook no dia seguinte, o parlamentar, que é pago com dinheiro público, chamou a acusação (sic) de ridícula, dizendo apenas que “foi um assessor meu, lotado em Curitiba, que esteve na cidade a trabalho, o que é plenamente legal”. 

A afirmação contradiz a postura que o deputado nas redes sociais. No dia 7, o mesmo parlamentar escreveu no Facebook que era contra o pagamento de diárias “a cada deputado do interior, só pelo fato de voltar à cidade em que mantém residência fixa. A regra também vale para assessores de deputados (…). Não tem cabimento nenhum. Como já falamos: não vamos receber esta verba (…) e a estamos combatendo”. A propósito: não houve “acusação” e, sim, informação.

O hóspede do King Confort Hotel, que entrou às 19h54 do dia 21 de novembro e saiu nàs 9h01 do dia 23, é assessor da Liderança do Pros, à época exercida pelo parlamentar, e não de seu gabinete. O assessor, que reside em Curitiba, tem salário superior a R$ 12 mil brutos. De acordo com a nota publicada acima, o tomador de serviços é o deputado, que é o responsável nesses casos, segundo as regras da Assembleia Legislativa, para efeito de ressarcimento.

Outras três diárias para hospedagem e estadia foram utilizadas pelo deputado em Maringá, onde tem residência fixa. O parlamentar, que costuma cobrar a imprensa, ainda não deu satisfação sobre a razão da vinda do assessor da Liderança do Pros a Maringá. O blog publicou que ele foi o único dos deputados estaduais eleitos pela região a utilizar a verba de ressarcimento para hospedagem e estadia na cidade em que tem residência fixa.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM