POLÍTICA

Eduardo Paes derrota reeleição de Crivella e é eleito no Rio
O democrata ficou com 64,41% dos votos válidos enquanto o republicano somou 35,59%



Eduardo Paes (DEM) foi eleito prefeito do Rio de Janeiro neste domingo (29). Com 87,96% das urnas apuradas, ele desbancou o atual chefe do executivo da cidade, Marcelo Crivella (Republicanos), que tentava a reeleição e tinha o apoio público do presidente Jair Bolsonaro. O democrata ficou com 64,41% dos votos válidos enquanto o republicano somou 35,59% da preferência dos cariocas.

Entre os motes de campanha do democrata está a reestruturação da cidade maravilhosa, principalmente em serviços como saúde e transportes. 

O candidato do presidente da República deixa a prefeitura do Rio de Janeiro no fim do ano ficando pela primeira vez desde 2003 sem mandato. Até o ano de 2016 ele havia sido senador e agora deixa o posto mal avaliado. 

Pronunciamento

Em pronunciamento ao vivo para a imprensa, o atual prefeito eleito discursou ao lado do presidente da Câmara Rodrigo Maia, avaliou o retorno às urnas pelos cariocas como um movimento de credibilidade política e fez críticas à gestão de Crivella. 

"A primeira mensagem que eu queria deixar aqui é de agradecimento por todos os cariocas que foram às urnas hoje... Hoje vocês estão livres para voltar a confirmar essa cidade como a cidade da diversidade. A tornar essa cidade tão ampla e que aceita a todos. Eu tenho certeza de que essa vitória de hoje é importante, significativa. Queria celebrar aqui, porque eu acho que foi uma vitória da política. Nós passamos os últimos anos de certa forma revitalizando a política brasileira", disse. 

"Eu acho que essa eleição significa que há uma confiança na política de novo. Eu queria deixar muito clara a mensagem para todos os cariocas que nos próximos quatro anos vocês vão ter um prefieto que vai dar o sangue. Quero dizer que eu estou mais maduro, mais experiente, conheço mais os desafios dessa cidade e que hoje a gente vai fazer o Rio dar certo. O desafio está na saúde, está na pandemia. O Rio teve um índice de letalidade que é quase o dobro de São Paulo. Precisamos recuperar o abastecimento de medicamentos e já a partir de amanhã o Rio vai ter um prefeito eleito trabalhando muito. Eu espero que Marcelo Crivella ajude a preparar a cidade para uma boa transição", acrescentou. 





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |   21/01/2021 13h05





POLÍTICA  |   21/01/2021 08h09


POLÍTICA  |   21/01/2021 04h05