MARINGÁ

Júri de acusado de feminicídio em Maringá é adiado por falta de energia. Novo julgamento será amanhã, 4



O júri de Leonardo Lucas Marinho Ferreira, de 27 anos, acusado de feminicídio que seria nesta terça-feira, 2, foi adiado para quinta-feira, 4. Um transformador nas proximidades do Fórum de Maringá explodiu deixando o prédio sem energia elétrica. Diante da situação, e da impossibilidade da realização, o juiz que presidia a sessão transferiu a data.

Ferreira é acusado de matar Elaine de Oliveira Bovo, 29 anos. Ela foi encontrada morta em setembro de 2018 em uma chácara na Estrada Pinguim. Ela morreu após ser baleada na cabeça. A jovem foi socorrida, mas não resistiu ao ferimento após ser internada na UTI do Hospital Universitário. O suspeito na ocasião ligou à polícia e disse que ela teria se matado. Mesmo assim, deixou o local, alegando que a polícia não acreditaria na versão dele. Ao lado do corpo, foi encontrado um revólver calibre 38.

Ferreira foi denunciado pelo crime de feminicídio. Segundo familiares de Elaine, o rapaz já havia a agredido outras vezes. A mãe dela Maria José de Oliveira Bovo que é testemunha no processo, durante o júri (antes do cancelamento) usava camiseta pedindo Justiça pela morte da filha. A pedido dos advogados do réu, o juiz determinou que ela retirasse a camiseta. Ela alegou que mora longe e não havia levado outra roupa. O juiz então ordenou que ela virasse a camisa ao avesso para poder permanecer no júri.

A mãe procurou a Equipe Pinga Fogo está indignada com isso e pede justiça. A defesa de Leonardo Lucas Marinho Ferreira sustenta a tese de que o rapaz não matou a vítima. Ele permanece preso em Maringá.

Márcio Gomes – Equipe Pinga Fogo




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



MARINGÁ  |   19/04/2021 14h00





MARINGÁ  |   19/04/2021 08h19