DIVERSÃO

Beyoncé se torna a mulher mais premiada na história do Grammy

Com as quatro vitórias conquistadas na noite de ontem (14), Beyoncé agora se tornou a mulher mais premiada na história do Grammy com 28 estatuetas.

A maioria destas conquistas, 17, foram em categorias dedicadas ao R&B, mas ela também já venceu em outras áreas, como no rap ou por seus vídeos. Knowles ainda ganhou um gramofone de melhor performance em canção pop feminina, por "Halo", em 2010 e o de melhor canção, no mesmo ano, por "Single Ladies (Put A Ring On It)".

Ontem, a estrela que tinha nove chances de vitória, foi vencedora como melhor performance de R&B, por "Black Parade", vídeo musical com "Brown Skin Girl (With Saint Jhn and Wizkid feat. Blue Ivy Carter)" e levou mais dois prêmios por suas participação no remix de "Savage" de Megan Thee Stallion: melhor performance de rap e melhor canção de rap.

Antes da norte-americana, a maior vencedora era a cantora de bluegrass e country music Alison Krauss que tem 27 estatuetas. Beyoncé agora tem a mesma quantidade de troféus que Quincy Jones, que também já ganhou um prêmio especial pelo conjunto de sua obra, e só perde para o maestro Georg Solti (1912- 1997), que juntou 31 gramofones em sua vida. Ou seja, as chances dela, em breve, se tornar a maior ganhadora da história são fortes, afinal Beyoncé segue em plena atividade, é dona de imenso prestígio, e tem uma obra relevante e de grande apelo entre público, críticos e colegas.

Ela também se mostra ciente de sua força: "Como artista, eu creio que faz parte do meu trabalho refletir a nossa época que tem sido muito difícil. Eu queria animar, incentivar e comemorar os reis e rainhas negros e negras que continuam a me inspirar e a inspirar o mundo", disse a cantora ontem ao agradecer o Grammy por "Black Parade".





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



DIVERSÃO  |   13/05/2021 12h45


DIVERSÃO  |   13/05/2021 12h05


DIVERSÃO  |   13/05/2021 04h45